A BUSCA DOS RATOS




A busca dos ratos é a de ter banquete todos os dias e um lugar tranquilo para morar com a família. Alguma coincidência? Não, creio que não... Os ratos sobrevivem das brechas deixadas pelo homem e não almejam mais que sobreviver e deixar o maior número de descendentes possível no planeta.

A falta de cuidado e higiene do ser humano historicamente permitiu a disseminação dos ratos pelo mundo inteiro. O transporte destes animais entre continentes ocorreu primeiramente através dos navios comerciantes europeus.

Nos ambientes urbanos, têm encontrado ótimas condições para se sentirem à vontade para se reproduzirem: alimento farto nos sacos de lixo dispostos incorretamente, rações de animais mal acondicionadas, depósitos de alimentos e casas com frestas em telhado, parede e portas, abrigo fácil em beira de córregos e terrenos baldios mal cuidados. Conclusão: os ratos estão encontrando o que buscam e o homem está perdendo definitivamente no controle desta praga...

Infortunadamente, os ratos podem contaminar as superfícies por onde passam. Alguns microrganismos são carreados mecanicamente através dos seus corpos como as Salmonelas e outros coliformes fecais mas as doenças mais graves transmitidas por estes mamíferos para outros mamíferos, inclusive para nós seres humanos, são microrganismos excretados pela urina (bactéria causadora da Leptospirose) ou fezes (vírus causador da Hantavirose). Além da peste bubônica (Peste Negra) transmitida pela picada da pulga contaminada pela bactéria Yersinia pestis que tanto causou mortes no fim da Idade Média.

O controle de qualquer praga deve ser baseado no seu ciclo de vida, comportamento e hábitos. Vamos, então, entrar no mundo dos roedores: é preciso conhecer as espécies e suas diferenças. E lembre-se de que não basta somente a desratização, é preciso tomar medidas de modificação no ambiente que reduzam as possibilidades de sobrevivência ou atração dos animais para perto das edificações.

Espécies sinantrópicas

Ratus norvergicus

  • • Nomes genéricos: ratazana, rato de esgoto

  • • Vive em áreas externas, principalmente na beira de córregos e rios, na rede de esgoto, em terrenos baldios e na proximidade de lixões. É dotado de habilidades para escavar, nadar e roer, podendo girar em torno de seu ninho até 40 metros. Alimenta-se até 30g/dia de lixo orgânico, cereais, raízes e carne e consome água até 30ml/dia.

  • • Corpo grande e robusto, 300 g de peso, comprimento de 19 - 25 cm (cabeça e corpo) e cauda de 15 - 22 cm. Focinho arredondado, orelhas pequenas, cobertas de pêlo curto, olhos pequenos, cauda escura em cima e clara em baixo, pelagem áspera com lombo pardo e algumas manchas escuras.

  • • As fezes possuem formato de cápsula, com 2 cm.

Ratus norvergicus

  • • Nomes genéricos: rato de telhado

  • • Habita acima do solo, com característica intra e extradomiciliar. Dotado de habilidades para escalar, equilibrar-se e roer, podendo explorar em torno de seu ninho até 60 metros. Habita o forro das casas, depósitos e armazéns. Costuma ser encontrado nas proximidades de áreas portuárias. Alimenta-se até 30g/dia de legumes, frutas, cereais, raízes e pequenos insetos e consome água até 30ml/dia.

  • • Corpo liso menor que a ratazana, 200 g de peso, comprimento de 15-22 cm (cabeça e corpo) e cauda de 18 - 25 cm. Focinho pontiadudo, orelhas grandes, quase sem pêlos, olhos grandes e proeminentes, cauda uniformemente escura, pelagem cinza e negro mas suave e homogênea.

  • • As fezes possuem formato de vareta, com 1,2 cm.

Ratus norvergicus

  • • Nomes genéricos: camundongo

  • • Habita ambientes internos, ficam tanto em partes baixas como também partes altas, pois possuem habilidades de escalar, geralmente explora um raio de 9 metros em torno de seu ninho. Constrói o mesmo em móveis, despensas, gabinetes de cozinha e qualquer orifício capaz de acomodá-lo. Alimenta-se até 3g/dia de cereais, pão, queijo e seu consumo de água é inexpressivo.

  • • É facilmente transportado em caixas de alimentos e outros materiais, possibilitando sua fácil dispersão na área urbana.

  • • Corpo pequeno e fino, 15 g de peso, comprimento de 6 - 9 cm (cabeça e corpo) e cauda de 7 -10 cm. Focinho pontiadudo, orelhas grandes, olhos pequenos, cauda uniformemente escura e pequena. • As fezes possuem formato de vareta, com 0,5 cm.



Métodos de controle: Tirar aquilo que o rato busca.

Medidas de anti-ratização


Consiste em criar mecanismos e barreiras que evitem que os roedores tenham acesso a um determinado local. Se enquadram neste item o controle dos chamados "3 As": Água, Abrigo e Alimento:
  • • Controle de restos e resíduos de alimentos

  • • Cuidado no acondicionamento de rações dos animais domésticos

  • • Descarte de materiais sem uso e entulhos

  • • Manter vegetações aparadas

  • • Vedação de lixeiras externas

  • • Implantação de barreiras físicas como rodapés nas portas, telas metálicas nas aberturas de ventilação e janelas, ralos chumbados, vedação de abertura ao redor de canos e conduítes, vedação de frestas entre telhado e parede.

  • • Drenagem ou fechamento de recipientes com água

  • • Vedação completa de caixa d´água


Além disto, em estabelecimentos comerciais é recomendável:
  • • Realizar triagem das caixas recém-chegadas, que podem conter um ninho ou roedor escondido.

  • • Substituir caixas de madeira por caixas de plástico no momento do recebimento dos produtos.

  • • Na área de armazenamento, manter os produtos sobre estrados altos ou prateleiras (maiores que 25 cm d e altura) e afastá-los das paredes para facilitar limpeza, inspeção e tratamento de desratização.

  • • Deve haver também o espaçamento entre pilhas.

  • • Atentar para qualquer abertura existente na estrutura da edificação que possa dar acesso da área externa para a interna. Vedar o quanto antes.

Desratização: controlando a infestação existente através de raticidas


Consiste em eliminar ou reduzir a população de roedores em um determinado local, através de substâncias químicas, como os raticidas de ação lenta. Os raticidas aprovados para controle de roedores são os derivados de cumarínicos.

Chumbinho e preparações líquidas são proibidos pois são extremamente tóxicos (pequena dose é capaz de matar até um elefante) e possuem efeito agudíssimo, não havendo tempo hábil para reverter uma intoxicação acidental.

Caso esteja com uma infestação de roedores instalada em sua residência ou empresa, consulte uma empresa especializada para avaliação do local e aplicação correta de iscas raticidas.


BIOLOGICA PRAGAS
©2012 todos os direitos reservados.
R. Antonio Palhano Guimarães, 151 – Butantã – São Paulo – SP – Brasil - CEP 05542-230
facebook Biologica
biologica@biologicapragas.com.br